quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

SOMOS A IMAGEM E SEMELHANÇA DO PAI



Gn 1:27 - E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

Como podemos parecer com Deus se somos tão pecadores?

Quando Deus criou o homem Ele se agradou de Sua obra e lhe abençoou. O Senhor acreditava em Sua criação, mas o homem em um ato de fraqueza caiu em pecado. Mesmo assim Deus, como um bom Pai, continuou acreditando no homem.

O Senhor sempre acreditará na obra de Suas mãos, ainda que Satanás tente fazer com que este relacionamento acabe.

Deus sempre acredita no homem, tanto que Ele teve a oportunidade de acabar com a humanidade no dilúvio, mas não fez.

Gn 6:6-7 - Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração. E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.


O Criador guardou a vida de Noé e sua família para recomeçar, como sempre, nos dando uma nova oportunidade. Com esta família Deus fez uma aliança.

Gn 6:17-18 - Porque eis que eu trago um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que há espírito de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra expirará. Mas contigo estabelecerei a minha aliança; e entrarás na arca, tu e os teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos contigo.

Ele acredita tanto no homem que enviou Jesus para pagar o preço do resgate da humanidade. Neste ato Deus nos mostra seu grande amor por nós.

Jo 3:16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Quando aceitamos Jesus como Senhor e Salvador nos tornamos filhos e filhas, à imagem e semelhança de nosso Pai.

Gn 1:12-13 - Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus, ou seja, aos que crêem no seu Nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.

Conceição Santana