terça-feira, 9 de agosto de 2016

PERMANECENDO NO JARDIM EM DIAS DIFÍCEIS




Jo. 19:40 - “No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim e neste, um sepulcro novo, no qual ninguém tinha sido ainda posto.”

Deus ama tanto jardins que criou o Éden para que dele o homem desfrutasse de tudo o que precisasse para ser feliz. Jesus, que também é Deus e carrega a essência do Pai também expressou sua extrema preferência por jardins. Ele estava sempre nos jardins, com os discípulos ou sozinho, Jesus tinha uma relação de pertencimento a esta geografia de beleza e abundância, que são os jardins.

Na hora de sua agonia não foi diferente, ele foi com os discípulos ao jardim do Getsemâni e ali, mais uma vez, encontrou-se com o Pai, embora o momento não fosse dos melhores, Jesus o buscou no lugar da comunhão, no jardim, onde tantas outras vezes havia realizado tantas outras coisas e vivido tantas outras alegrias com as multidões e com os discípulos. Mesmo assim, Jesus entendeu que jardins não eram simplesmente lugares de alegrias, mas, sobretudo, um lugar de comunhão com o Pai, e por isso, independente do sentimento ou do momento, ele gostava de estar em jardins.

No verso acima, percebemos que até em sua morte Jesus é posto em um jardim: “No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim”, isto nos mostra que momentos de agonia, angústia, sofrimento e dor não ocorrem apenas em desertos! Podemos passar por todas estas coisas mesmo estando em jardins, assim como Jesus que teve sua crucificação em meio a um jardim.

Chegar ao jardim é uma conquista tremenda e não se deve abrir mão dela, em hipótese alguma, independente da situação que se esteja vivenciando. Não devemos jamais renunciar ao território de um jardim por causa de nossos sentimentos. Mesmo em momentos maus Deus tem um jardim para nos oferecer, assim como sempre teve um para Jesus, mesmo durante a cruz.

Em nossa caminhada temos dias bons e dias maus, dias de glórias e dias de aflições, como bem já nos havia nos advertido o Mestre, teremos dias de fartura e dias de escassez. Alguns dias devolvemos dízimos, primícias, ofertas e a renda que nos fica ainda é imensa, nos mostrando que o Senhor nos prospera em nossa fidelidade; mas alguns dias, teremos dificuldade em sermos fieis e devolver a parte do Senhor, por saber que pouco nos sobrará e momentos assim nos chegam para nos ensinar, que o Senhor é Deus tanto em nossa fartura como em nossa escassez. E que, assim como mesmo na cruz, Jesus não saiu do jardim e nem o jardim saiu dele, nós também não saímos de nossos jardins só por causa de momentos de escassez que vivemos, porque quando estamos dentro da vontade e do propósito de Deus para nós os jardins nos acompanham como um sinal profético da nuvem do Senhor a nos guardar mesmo em dias maus.


ERGUIDOS PARA ENXERGAR MELHOR E MAIS AMPLAMENTE

Pela posição da cruz no Gólgota e do jardim onde ele ficava, segundo os arqueólogos e historiadores da região de Israel, uma pessoa crucificada no Gólgota enxergava facilmente o jardim que ficava logo abaixo e que se entendia por uma grande territoriedade, inclusive muito maior do que o lugar da caveira. Quando estamos em Israel, isto nos é muito bem explicado e mostrado em tempo real. Sendo assim, Jesus, erguido na cruz, via o jardim! Isso nos mostra que quando estamos erguidos, com a visão acima das circunstâncias, enxergamos além do que está ao nosso redor. Crucificados em nosso eu e erguidos pelo poder de Deus enxergamos jardins, beleza e vida onde tudo parece ser caos e morte, nos fazendo entender que o que está além da cruz é sempre melhor. Ou seja, quando crucificamos nossas vontades e nossas necessidades, nos deixando envolver pela vontade de Deus para nós, somos empoderados e erguidos para enxergar melhor e ver jardins além da dor e da escassez.


A ENTREGA NOS DÁ ACESSO A NOVOS TERRITÓRIOS

“No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim e neste, um sepulcro novo” – Jesus quando saiu da cruz foi levado para o jardim e assim será conosco quando vencermos a cruz conquistamos espaço no jardim das nossas visões e sonhos. Quando nos entregamos à vontade de Deus, mesmo em dias de grandes crises, e permanecemos fieis, conquistamos espaço em lugares de delícias, abastança que nos é dado por herança.

“No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim e neste, um sepulcro novo” – Quando nos entregamos à cruz, quando entregamos o que temos em oferta de fé e fidelidade, conquistamos territórios novos, assim como um novo lugar foi arranjado para Jesus, que não havia sido de ninguém ainda. A nossa permanência em fidelidade nos levará a alcançar lugares que ainda não foram alcançados por ninguém. A vitória sobre a cruz através de nosso entrega e fidelidade é a porta para acessar um novo território e um novo tempo e uma nova conquista! O jardim é apenas o começo de um novo tempo de glória, colheita, governo e autoridade! Assim foi quando Jesus, que posto no jardim, ressuscitou e entrou numa nova dimensão de conquista!! Assim será conosco!!! Quando, em meio às nossas crises financeiras nos mantermos fieis ao Pai, á sua vontade e ao seu propósito, lhe devolvendo o que lhe é de devido e apresentando nossas ofertas como linguagem de fé, Ele nos erguerá, mesmo em meio ao caos e nós enxergaremos além das circunstâncias, jardim além da cruz e da dor, conforto além da vergonha e da desonra, espaços alargados além da limitação da cruz opressora! E nesta visão seremos levados a conquistar novos territórios de prosperidade!! Esta é a promessa de Deus para os que ousam se entregar e crer! 

Flávia Rodrigues Lima da Rocha